Mercado

Empreendedora faz sucesso nas redes sociais com restaurante vegano

A catarinense Alana Rox transformou sua função de porta-voz da comunidade vegana em rede de negócios ligados à causa.

 

Nos últimos anos, a catarinense Alana Rox, 39, transformou o discurso ativista em uma multifacetada rede de negócios ligados à causa vegana. Sua trajetória como empreendedora começa em 2013, após ela criar uma conta no Instagram para compartilhar receitas de pratos sem ingredientes de origem animal.

Em um mês, o perfil tinha 6 mil seguidores. “Existia muito pouca informação online para esse público”, diz Alana.

A visibilidade abriu caminho para palestras e aulas sobre a culinária vegana. Mas seu ponto de virada aconteceu em 2016, com o lançamento do livro Diário de uma Vegana. Com mais de 200 mil exemplares vendidos, a obra acabou dando origem a uma série homônima para o canal de TV a cabo GNT.

A consolidação como porta-voz da comunidade vegana trouxe a possibilidade de diversificar ainda mais sua atividade. Além das apresentações para empresas, escolas e hospitais, a empreendedora criou uma plataforma online de cursos.

Em setembro passado, Alana inaugurou o restaurante Purana, no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A casa acolhe até 800 clientes por dia nos finais de semana. Uma cozinha industrial extra acaba de ser montada no imóvel em frente, para atender os segmentos de delivery e eventos.

Empresas como Roche, Telefônica e Walmart já realizaram encontros corporativos em seu espaço. “A casa é lucrativa desde o primeiro dia”, ela diz. “Tudo somado, eu me tornei uma espécie de holding de mim mesma”, brinca.

Essa holding pessoal já movimenta uma equipe de aproximadamente 90 pessoas, incluindo desde profissionais de produção de conteúdo até a brigada de seu restaurante. O Purana, por sinal, tem um cantinho onde ficam expostos os produtos da marca de cosméticos veganos Baims, da qual Alana se tornou embaixadora.

No segundo semestre, esse quebra-cabeça vai ganhar uma peça importante: a empreendedora planeja lançar uma linha de pratos congelados, como massas e salgados, sem proteína animal. Os quitutes serão comercializados em grandes redes varejistas.

  

Fonte: Primeira Página com informações da Revista PEGN.

 

Redes Sociais