Notícias


Publicado em:
20
2/2019

Soft Skils pode dar fim à monotonia dos treinamentos nas empresas

Modelo antigo de aprendizagem, com horas após o expediente e que transmita informações obrigatórias não é mais atraente para a realidade atual.



Metatags: Técnicas, Treinamentos, Habilidades, Empresas
Pixabay

Sobre as habilidades que todo trabalhador deve ter em 2020, por exemplo, é preciso abrir a mente para a urgência de sair de uma entrega padrão para uma atividade organizacional customizada. Em outras palavras, no ambiente de negócios do futuro (do presente, para muitas companhias) nem tudo se resume a boas soluções tecnológicas. Hoje, é evidente a necessidade de valorizar competências comportamentais (soft skills), tais como pensamento crítico, criatividade e inteligência emocional.


Muitos profissionais exercem funções que não gostam de executar. Pior: os treinamentos são repetitivos, monótonos e, consequentemente, desmotivam ainda mais os funcionários, resultando também em falta de produtividade nas empresas.


Prova disso é a recente pesquisa da Isma Brasil (International Stress Management Association), que aponta que 40% dos trabalhadores encontram-se insatisfeitos com o cargo atual, enquanto 64% gostariam de trocar de emprego. E mais: o Ministério da Saúde divulgou no último ano que 79% da população afastou-se do trabalho no período de 2012 a 2016 devido a doenças psicológicas. A instituição indica que a principal responsável por estes casos é a depressão (30,67%), seguida pela ansiedade (17,9%).


A título de informação, separamos duas técnicas inovadoras que permitem a interação entre treinadores e treinandos, agregando qualidade no emprenho dos profissionais em suas funções. Saiba mais sobre elas:


Trahentem


Solução de aprendizagem coletiva com foco em inteligência emocional, interação, escuta ativa, flexibilidade cognitiva e desenvolvimento de competências alinhadas às demandas contemporâneas do ambiente de negócios. 


Na prática, o Trahentem ajuda profissionais (experientes ou iniciantes) na identificação clara das necessidades de aprendizagem e guia-os rumo à descoberta de caminhos ágeis e seguros que os levem à construção de treinamentos corporativos simples e assertivos.


Spin Design


Em levantamentos recentes, a companhia americana 3M identificou que os conteúdos visuais são 60.000 vezes mais rápidos de serem processados pelo cérebro humano. Já a Cisco Systems revelou que 70% do tráfego mundial em dados móveis, até 2020, será de vídeos.


E é isso que faz o Spin Design. Atua com narrativa sequencial, com recursos audiovisuais que se apropriam de drama, ação ou comédia para despertar as emoções do público. É o chamado storytelling.


Mas é possível ir além e enriquecer o storytelling com conceitos de visual thinking, uma vez que a maior parte das pessoas tem a tendência a absorver muito mais informações quando em contato com recursos visuais. 


Ao trazer elementos visuais como vídeos, ilustrações, jogos e gráficos, o poder da narrativa é intensificado, pois a linguagem visual exige menos do cérebro humano do que os demais sentidos na hora de consumir novas informações. Portanto, o ato de estimular os gatilhos mentais dos colaboradores, por exemplo, é simplificado.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Dia Do Consumidor: 40% dos consumidores que fazem perguntas fecham compra

Atendimento ao cliente é decisivo na hora da conversão. Especialista dá dicas para otimizar o serviço e aumentar vendas.
Leia Mais

Como higienizar frutas corretamente

A nutricionista da Snack Frutas, Karen Alves, detalha uma boa forma de lavar os alimentos: imersão de hipoclorito e retirada do produto com água corrente.
Leia Mais

Comércio eletrônico deve crescer 16% em 2019

Segundo a ABComm, otimismo vem da melhora no cenário econômico e na elevação da confiança do consumidor.
Leia Mais