Notícias


Publicado em:
4
12/2018

Vegetarianos: IBOPE aponta crescimento histórico de adeptos no Brasil

Mais de 30 milhões de brasileiros afirmam dispensar a proteína animal na alimentação.



Metatags: SVB, Naturaltech, Ibope, Pesquisa, Veganos, Vegetarianos, Alimentação Saudável
FreeImages

No Brasil, 14% da população se declara vegetariana, segundo pesquisa de 2018 do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística - IBOPE Inteligência. Em São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%.

A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira adepta nas regiões metropolitanas era de 8%. Hoje, isto representa quase 30 milhões de brasileiros – um número maior do que as populações de toda a Austrália e Nova Zelândia juntas.

A pesquisa aponta ainda o crescimento rápido no interesse por produtos veganos (ou seja, livres de qualquer ingrediente de origem animal) na população em geral. Mais da metade dos entrevistados (55%) declara que consumiria mais produtos veganos se estivessem mais bem indicados na embalagem ou se tivessem o mesmo preço que os produtos que estão acostumados a consumir (60%). Nas capitais, esta porcentagem sobe para 65%. 

Matérias relacionadas:
http://www.naturaltech.com.br/noticias_detalhe.asp?noticia_id=39624
http://www.naturaltech.com.br/noticias_detalhe.asp?noticia_id=39552

Fonte: Primeira Página, com informações da Sociedade Vegetariana Brasileira


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Uso de cosméticos por meninas antecipa a puberdade

A informação é do estudo da Universidade da Califórnia, EUA. O uso frequente desses produtos afeta os hormônios do crescimento e adiantam a puberdade de meninas na faixa dos nove anos.
Leia Mais