Notícias


Publicado em:
26
10/2018

OMS quer mais vigilância sobre consumo de gorduras

Entidade alerta que o abuso de alimentos com esse composto coloca o organismo na zona de risco de infartos e acidentes vasculares cerebrais.



Metatags: Gordura, Dieta, OMS, Alimentação Saudável, Doenças cardiovasculares

Em 2016, foram contabilizados 54,7 milhões de mortes no mundo, sendo que 72% aconteceram em razão de doenças crônicas não transmissíveis. Entre elas, destacam-se, de longe, os problemas cardiovasculares, responsáveis por quase metade dos óbitos. Indigesta, essa cifra tem muito a ver com a forma como as pessoas vêm se alimentando.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um documento que prevê maior vigilância em relação ao consumo de dois tipos de gorduras: as saturadas e as trans. De acordo com a entidade, o foco nesses ingredientes se deve ao fato de que abusar da dupla coloca o organismo na zona de risco de infartos e acidentes vasculares cerebrais (AVC).

Para quem atua na área, os novos valores sugeridos pela OMS (que já foi para consulta pública e agora deve passar por revisão e finalização) não causam espanto. No que diz respeito à gordura saturada, por exemplo, a indicação é que ela represente, no máximo, 10% das calorias totais ingeridas diariamente – meta com a qual a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) já trabalha.

Há quem garanta que a solução para dispor de uma saúde plena é baixar a ingestão de carboidratos (massas, pães e arroz) e das gorduras (como as saturadas, encontradas em carnes, manteiga, leite e coco). Essa a linha de pensamento é considerada radical pela maioria dos especialistas.

“Precisamos de equilíbrio”, defende a nutricionista Elisa Jackix, professora da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Segundo ela, se a alimentação contiver de 45% a 60% de carboidratos e cerca de 30 ou 35% de gorduras totais (respeitando o máximo de 10% em saturadas), não há motivo para preocupação.

Fonte: Primeira Página, com matéria da revista Saúde


Últimas notícias

Especialista recomendam velas perfumadas naturais

Uma boa dica é trocar os modelos de parafina por aqueles produzidos com cera de soja ou de abelha.
Leia Mais

Alimentação vegana começa pela compra do alimento certo

Nutricionista dá dicas para evitar confusão na hora de ler os rótulos e identificar componentes de origem animal
Leia Mais

Cada vez mais presente em cosméticos naturais, melaleuca traz vários benefícios à saúde

Substância é conhecido como antisséptico poderoso e eficaz contra bactérias, vírus e fungos.
Leia Mais