Notícias


Publicado em:
6
4/2018

Kits de sementes da ISLA são opção de presente a quem deseja ter horta em casa

Ajudar a construir uma plantação em qualquer tipo de espaço, mesmo dentro de ambientes urbanos, é a proposta da marca.



Metatags:

Sabe aquele desejo de ter a sua própria horta em casa e poder levar à mesa o produto da sua plantação? Pois é justamente àqueles que têm essa vontade que a ISLA Sementes pretende ajudar com seus kits temáticos #MinhaHorta.
De acordo com o diretor de Planejamento Estratégico, Andrei Santos, a linha visa a atender a três demandas do consumidor. “A primeira é que muitas pessoas têm vontade de cultivar, e não sabem o que plantar, dúvida fácil de se entender ao se deparar com um portfólio como o da ISLA, com mais de 600 sementes diferentes”, avalia.

A segunda demanda seria sanar as questões em torno do plantio em si, que assolam os hortelões de primeira viagem – por isso, os kits acompanham um completo manual de instruções, com as principais dicas desde o semeio até a colheita.
Por fim, outro objetivo dos produtos é fazer das sementes uma opção de presente, sugerindo a quem recebe o kit que resgate o contato com a natureza e invista em uma alimentação mais saudável.

Os kits, em exposição no estande da empresa na Naturaltech 2018, trazem combinações temáticas que ajudam quem tem um pequeno espaço a escolher o tipo de horta que mais lhe agrada, ou, àqueles que têm um pouco mais de espaço, permitir que se combine várias hortas em uma só, misturando temperos, hortaliças, flores etc.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Uso de cosméticos por meninas antecipa a puberdade

A informação é do estudo da Universidade da Califórnia, EUA. O uso frequente desses produtos afeta os hormônios do crescimento e adiantam a puberdade de meninas na faixa dos nove anos.
Leia Mais