NewsletterInstagram Facebook

Publicado em:
5
2/2018

Nutricionista tem espaço não só em consultórios, mas também em empresas

Restaurantes, lanchonetes e hospitais são alguns dos estabelecimentos que disponibilizam vagas para os profissionais de saúde voltados à alimentação saudável

Em um tempo em que a procura e a conscientização a respeito da alimentação saudável e seus efeitos na rotina, nutricionistas são um dos principais cursos que registram aumento na procura em universidades.

Seja com o objetivo de trabalhar em uma instituição, ou de maneira autônoma, os futuros nutricionistas miram não só o público que busca ajuda para solucionar problemas de saúde, mas também aqueles que querem basicamente orientação rumo a um dia a dia mais equilibrado, com o consumo consciente de alimentos que proporcionem um estilo de vida funcional.

Confira vantagens para quem deseja seguir a promissora carreira de Nutrição.

1- Em alta na mídia

Os nutricionistas são profissionais atualmente procurados com frequência para atender a reportagens, posts em redes sociais, esclarecimento sobre mitos e verdades a respeito de determinados alimentos da moda etc.

2- Prevenção e tratamento

Além da demanda por profissionais que acompanhem casos graves de obesidade e distúrbios delicados como anorexia e bulimia, os nutricionistas também auxiliam os pacientes que procuram melhorar sua alimentação e saúde. De modo que o dia a dia deste profissional envolverá não apenas pessoas que buscam emagrecer ou engordar, mas, sim, aqueles que também precisam de reeducação alimentar.

3- Vagas autônomas e em empresas

Não é qualquer profissão que permite que se escolha com quem se vai trabalhar, ou quanto se receberá por hora, ou os horários em que se deseja trabalhar. Os nutricionistas são um dos poucos profissionais que têm esta possibilidade, ao abrir seu próprio consultório e realizar atendimentos individuais. Outra opção é preencher vagas em empresas, como restaurantes, hospitais, cafés e lanchonetes, que precisam de nutricionistas que assegurem que os alimentos produzidos não coloquem em risco a saúde de quem irá consumi-los.

Fonte: Primeira Página, com informações da Universidade São Judas